Empreendedorismo Social: o que é, ideias e características

A ideia do empreendedorismo social é gerar negócios que têm por objetivo lucrar, mas não só isso: trazer soluções para problemas da sociedade!

Empreendedorismo social

Empreender muitas vezes pode ser a saída para quem está desempregado. Obviamente, é preciso de planejamento para que o empreendimento tenha sucesso, gerando lucros financeiros para o empreendedor. Mas existem muitas atividades que não surgem com o propósito de lucrar e que, como consequência, obtêm lucro.

É isso que é empreendedorismo social, que são empreendimentos focados em trazer impactos reais na sociedade, resolvendo problemas ligados a causas econômicas, sociais e ambientais.

Tratam-se de negócios que buscam desenvolver a sociedade, atuando na comunidade onde estão, melhorando a vida das pessoas.

Seja por meio de um produto ou serviço, aquilo que um negócio social se propõe a fazer produz renda, claro, mas também traz diminuição de desigualdade, gera inclusão e melhora algum problema social existente.

Certamente é por isso que diversas startups brasileiras estão atuando nesse segmento, buscando resolver problemas das comunidades e gerando lucros para todos envolvidos.

Tipos e ideias de empreendedorismo social

Uma empresa social pode encontrar soluções para fazer a diferença em diversos setores em que algo não está bom. Para ficar mais claro, é legal visualizar algumas áreas de desenvolvimento nas quais o empreendedorismo social atua.

Confira algumas:

  • agricultura, floresta e uso de água;
  • apoio ao empreendedorismo e microcrédito;
  • direitos humanos;
  • diversidade e multiculturalismo;
  • educação, alfabetização e inclusão digital;
  • moradia de baixo custo;
  • oportunidades para deficientes;
  • reciclagem, indústrias limpas e energias alternativas;
  • revitalização de comunidades;
  • saneamento e distribuição de energia; e
  • saúde e nutrição comunitárias.

Quais são as características do empreendedor social?

O empreendedor social tem como característica principal uma missão que vai além do sucesso financeiro e tem foco no benefício que outras pessoas vão ter: ele tem empatia e, por isso, um forte propósito.

Conhecer o público ou a causa que deseja atender também é pré-requisito básico, entendendo suas dificuldades. Só é possível ter empatia conhecendo a fundo a realidade que pretende transformar. Apenas números e relatórios não são suficientes para esse tipo de empreendedor.

Portanto, outras habilidades que o empreendedor social deve ter é saber ouvir e conversar com potenciais clientes, não apenas buscando uma ideia de negócio, mas se colocando no lugar de quem vive a situação.

Por exemplo: falta de alimentos, convívio com o lixo, questões de segurança ou dificuldade de acesso à cultura.

A partir dos problemas que enxerga no ambiente a sua volta, esse empreendedor desenvolve soluções por meio do negócio, resolvendo aquilo que o incomoda no seu bairro, na sua cidade, ou em algo que ele acredita que pode ser feito diferente.

5 exemplos de empreendedorismo social

No Brasil, encontramos diversos exemplos de empreendimentos que decidiram focar no social e deram muito certo.

1.  Feira Preta

Iniciativa de Adriana Barbosa, criada em 2002, a Feira Preta fomenta o empreendedorismo negro no Brasil, promovendo com outras entidades iniciativas que somam nos negócios e na vida de empresários negros e periféricos.

O evento ocorre anualmente em dois dias no final do ano, no Memorial da América Latina, região central de São Paulo. A feira se divide em espaços temáticos que envolvem entretenimento, mundo dos negócios e oportunidades de trabalho, além de uma programação artística única.

Obviamente, é aberta a todos.

2.  Gerando Falcões

Jovem nascido na periferia de São Paulo, Eduardo Lyra resolveu se dedicar a melhorar a vida de crianças que passam pelas mesmas dificuldades que ele encarou na sua infância. Por isso, em 2011, criou o Gerando Falcões.

Diversos estudantes têm sido impactados pelas ações do negócio, que tem como meta principal promover o protagonismo dos jovens e fortalecê-los, para que também possam ser agentes de transformação da sociedade.

3.  ASID Brasil

Também existem iniciativas que podem até mesmo começar em um trabalho de faculdade, como foi o caso da Ação Social para Igualdade das Diferenças, ASID, que atua desde 2010 com o compromisso de ajudar na gestão de escolas e instituições que trabalham com pessoas especiais.

A ideia veio de Alexandre Amorim, Luiz Ribas e Diego Moreira, que comandam a organização. Eles criaram uma metodologia administrativa que é aplicada nas entidades atendidas, para melhorar a qualidade do ensino gratuito oferecido a pessoas especiais.

4.  Boomera

Empresa especializada em processos inovadores de reciclagem, a Boomera consegue reaproveitar produtos como fraldas e cápsulas de café usadas, transformando esses resíduos em resina plástica.

Faturando milhões por ano e ajudando a eliminar mais de 60 mil toneladas de plástico do meio ambiente até agora, segundo último dado que encontramos, de 2019, o negócio foi criado por Guilherme Brammer em 2011 e conecta catadores, indústria e universidades.

5.  Insolar

Criada por Henrique Drumond e Michel Baitelli, a Insolar é um negócio social que atua desde 2013 com o objetivo de democratizar o acesso das pessoas à energia solar no Brasil.

Eles instalam painéis solares em estabelecimentos comerciais e o lucro é revertido para iniciativas sociais: “por comunidades mais solares”.

Quer empreender e não sabe por onde começar? O empreendedorismo social pode ser um caminho muito promissor. E se já possui um negócio, como vimos nos exemplos, nunca é tarde para repensar sua estratégia e torná-lo mais social: quando bem implementada, todos ganham.

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário