Dropshipping: o que é, como trabalhar e exemplos no Brasil

Entenda como funciona o dropshipping e se essa é uma boa ideia para tirar o seu e-commerce do papel.

Dropshipping

Se você quer ter um e-commerce e não sabe por onde começar, atuar por meio de dropshipping pode ser um ótimo ponto de partida. Aqui no Brasil, esse modelo vem crescendo e é uma oportunidade para quem quer ser dono do próprio negócio.

Com essa técnica, é possível vender online, recebendo ordens de serviço do consumidor e encaminhando-as ao fornecedor, conhecido como parceiro dropship. Você não tem contato com o produto em nenhum momento, não precisa de estoque, nem pensar na logística de entrega, atuando apenas como intermediário para que a compra chegue até o cliente.

Porém, é preciso estar atento e saber como trabalhar com dropshipping da maneira correta, evitando erros que podem trazer prejuízos para o seu negócio.

O que é dropshipping

O termo tem origem em duas palavras: drop, que significa largar, soltar, e shipping, que é remessa. Por isso, com dropshipping, você "larga" o produto, ou seja, divulga ele na loja virtual, e quando alguém faz a compra, você envia a ordem dessa operação para o fornecedor parceiro, que faz a remessa.

A grande sacada desse formato é não precisar manipular ou ter acesso ao produto, evitando gastos com uma loja física ou estoques.

Mas de onde vem o lucro? Da diferença entre o valor que você define para vender o produto no seu e-commerce e o valor que o seu parceiro dropship cobra. Claro, é importante ter ciência de que você terá controle parcial sobre as vendas, já que é, sim, o responsável pela venda, mas quem cuida da logística é o fornecedor.

Como trabalhar com dropshipping

Antes de qualquer coisa, você precisa ter uma ideia de negócio. O que quer vender? E aqui, não tem a ver com a sua vontade, mas com o que os clientes necessitam e desejam. Escolha um produto que seja capaz de resolver problemas dos seus potenciais clientes. Do contrário, você pode não ter consumidores.

Depois, verifique se esse produto é lucrativo, quais são as perspectivas desse mercado para o futuro. Faça pesquisas. No Google Trends, por exemplo, você pode verificar o quanto as pessoas de determinada região buscam por produtos específicos. Faça uma boa pesquisa antes de definir o que vai vender.

Tenha claro o quanto o produto que você pretende vender é popular no nicho escolhido. Pense também na região que irá vender.

Definido o produto, você precisa encontrar o fornecedor ideal. Aqui, é preciso ter jogo de cintura e negociar de forma transparente, bem como deixando claro os motivos que fazem essa parceria ser vantajosa para ambos. Pesquise mais de um fornecedor, para escolher aquele ou aqueles que melhor podem atender suas necessidades.

Depois de pesquisar, definir o que vai vender e escolher os fornecedores certos, vem a etapa de colocar a loja virtual na ativa. Confira o que você vai precisar abaixo!

1.  Obter um nome de domínio

Pense em um nome de marca que consiga dar uma boa ideia aos consumidores sobre o que você vende, que seja descomplicado, fácil de falar e de lembrar, mas que também possua domínio disponível.

Você pode verificar se o endereço escolhido para a sua loja virtual está disponível para ser usado em sites como GoDaddy e Registo.br.

2.  Criar a loja online

Você pode usar ferramentas como Wordpress e Wix para criar o seu site. São ferramentas simples de mexer, com funcionalidades gratuitas e outras pagas, com as quais você consegue fazer um layout que tenha a ver com a sua marca, bem como cadastrar os produtos facilmente para a venda.

3.  Escolher o método de pagamento

Você também vai precisar de um gateway de pagamento online, ou seja, um sistema para efetuar a transmissão dos dados de pagamento entre você, a instituição financeira e o consumidor. Essa é a forma mais prática de processar pagamentos com cartões de crédito.

Quando vinculado a um sistema de pagamentos online, como o da Cobre Fácil por exemplo, ele pode oferecer diversas outras funcionalidades para a gestão financeira do seu empreendimento, como envio de arquivos de remessas e retorno, por exemplo.

4.  Atuar em alinhamento com o fornecedor

Você terá que administrar os pedidos, receber os pagamentos e comprar os produtos do fornecedor, mas não só isso: para garantir que o processo aconteça com eficiência, também vai ter que acompanhar os status das entregas.

Por isso, torna-se imprescindível ter um alinhamento com o fornecedor para que ocorra apenas a venda de produtos que estejam disponíveis. Um sistema integrado aos dados do estoque é uma boa ideia para que não aconteçam falhas.

Inclusive, se o fornecedor não cumprir prazos ou os produtos apresentarem má-qualidade, esteja sempre pronto para repensar as parcerias, buscando fornecedores mais qualificados.

5.  Pensar no marketing da loja

E claro, você precisa divulgar a sua loja online. Para ser encontrado, é muito importante adotar algumas práticas de marketing digital:

  • SEO: Search Engine Optimization. As pessoas procuram tudo no Google, não é? Por isso, essa é uma das táticas mais importantes para quem tem uma loja na internet, já que é uma maneira de fazer com que seu site apareça bem no ranking dos resultados de buscas do Google.

Basicamente, é preciso usar as palavras-chaves que as pessoas estão buscando e seguir outras práticas que o Google considera para levar você para a primeira página de busca, ou até mesmo para o topo da pesquisa, onde a maioria das pessoas clicam.

  • E-mail marketing: atente-se para criar uma lista de e-mails conforme as compras acontecerem. Você pode voltar a entrar em contato com essa lista posteriormente, para falar sobre promoções da sua loja, desejar feliz aniversário aos clientes presenteando com cupons de desconto ou aproveitar outras datas para fazer campanhas específicas.
  • PPC: Propagandas pagas. Além de usar SEO para subir nas pesquisas de forma orgânica, você também pode investir na compra de espaços de propaganda no Google, ligando uma palavra chave à sua campanha. Conforme a relevância da palavra-chave para as propagandas e do valor dessa oferta, você pode ter muito sucesso.

O gerenciamento de ações como essa são feitas pelo Google Ads.

Exemplos de lojas dropshipping no Brasil

Para se inspirar, conheça alguns exemplos de dropshipping nacional que deram muito certo.

Mercado Livre

Uma das maiores referências quando o assunto é interatividade no dropshipping e forte conexão entre fornecedores e clientes é o Mercado Livre. Assim como na Amazon ou no Ebay, que são exemplos internacionais, os consumidores encontram de tudo no site.

O sucesso é tão grande que grandes marcas de diversos setores do mercado também abriram lojas na plataforma, como a Pampers da gigante P&G.

Elo7

O Elo7 é um site conhecido por envolver pequenos empreendedores do ramo do artesanato e trabalhos manuais.

Aos poucos, o site foi expandindo e hoje já conta com uma cadeia extensa de fornecedores, que conseguem não apenas expor e vender seus produtos, como conversar com clientes, obtendo feedbacks importantes por meio de uma plataforma intuitiva.

Lojas Americanas

O marketplace das Lojas Americanas oferece toda a variedade que a marca sempre entregou em suas lojas físicas de forma online.

O site tornou-se uma grande vitrine da loja para vender produtos de todos os tipos e categorias.

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário