O guia completo para trabalhar como freelancer

Se você quer trabalhar como freelancer, veio ao lugar certo: acompanhe as dicas a seguir, preparadas com todo carinho pela nossa equipe, e mãos à obra!

Como trabalhar como freelancer

Cada vez mais profissionais têm buscado formas alternativas de trabalho, devido à dificuldade para conseguir emprego fixo diante do cenário de crise. Uma das soluções tem sido trabalhar como freelancer, um caminho muito experimentado por trabalhadores de diversas áreas nos últimos tempos.

Além disso, também existe a necessidade de novas fontes de renda, mesmo quando a pessoa está empregada, ou seja, para garantir um valor extra, caso seja demitido, ou para complementar os rendimentos atuando como freelancer.

Acontece que, ao sair do modelo de trabalho fixo, com carga horária a cumprir e contrato com uma empresa, ou ao decidir que fará freelance nas horas vagas, é comum que o trabalhador tenha dúvidas sobre como começar, conseguir clientes ou mesmo qual preço cobrar pelos seus serviços.

Para ajudar nessa empreitada, escrevemos este artigo com dicas para quem está começando na área. Bora acompanhar?

O que é preciso para trabalhar como freelancer

Apesar do interesse em atuar nesse formato, é natural que as primeiras experiências como autônomo tenham seus desafios.

Além das questões burocráticas envolvidas para começar a vender um serviço, é preciso adaptar-se à falta de locais e horários de trabalho pré-determinados e, ao contrário do que muitos pensam, apesar de dar um fim à figura do chefe, esse toma outra forma: a do cliente.

Por essa razão, é muito importante buscar informação antes de realizar qualquer ação. Fazendo pesquisas e estudando, você pode evitar erros de principiante, freela! Confira as nossas dicas:

1.  Defina sua especialidade

Primeiramente, você precisa definir uma especialidade. Você pode ser bom em muitas coisas, mas não queira abraçar o mundo! Além do mais, ao definir um nicho específico, você pode se destacar mais rapidamente em meio à concorrência - que não é nada pequena!

Quanto melhor a sua reputação, inclusive, mais contatos fará e poderá pegar outros tipos de projetos, maiores, porque pode atuar de forma colaborativa, com outros profissionais.

Você continua fazendo o que mais sabe, mas entregando trabalhos mais completos para os clientes por unir especialistas e, claro, podendo cobrar um valor maior por isso.

Lembre-se de fazer boas entregas desde o início, para já começar a construir uma boa reputação, que é o bem mais valioso de um freelancer.

2.  Faça a transição com cautela

Seja porque quer complementar a renda sem deixar seu emprego fixo ou por querer atuar de forma integral nessa modalidade, faça a transição com cuidado, aos poucos.

O melhor cenário é aquele em que você continua empregado enquanto faz seus primeiros trabalhos como freelancer. Afinal, no começo você terá poucos clientes. Leva tempo até que você passe a ter vários e, ao não ter pressa, sobra mais tempo para estruturar a sua reputação no mercado de forma inteligente e com boas entregas. Portanto, não se afobe!

3.  Crie uma rotina

Como citamos no início, os horários a serem cumpridos deixam de existir. Por não ser mais um assalariado, você também começa a ter uma rotina diferente da que está acostumado. Se seguir trabalhando enquanto faz freelance, precisará encontrar tempo nas horas vagas. Para ambos os casos, precisará criar uma rotina e se organizar para dar certo.

Por isso, estabeleça regras para o seu expediente. Tenha disciplina, com um horário para começar e encerrar o seu trabalho. Também escolha um lugar adequado, silencioso, organizado e com boa conexão à internet. A tentação de ficar mais tempo na cama e fazer os jobs do sofá são grandes, mas resista.

A longo prazo, ter uma rotina vai ajudar você a ter um trabalho mais estruturado e produtivo.

4.  Pense nas finanças e na burocracia

Especialmente se você pensa em começar como freelancer em tempo integral, vai precisar contar com uma reserva antes de começar. Especialistas afirmam que a quantia ideal é algo em torno de um ano de despesas pagas. Se você não pensou nisso ainda, planeje-se para que seja possível.

Nesse planejamento, você também deve levar em consideração que não terá mais férias remuneradas, que precisará adaptar seu descanso conforme as demandas dos clientes e que dificilmente terá sucesso se calcular seus ganhos por mês.

É preciso adotar uma mentalidade de ganhos por ano para conseguir controlar gastos com saúde e fundo de previdência, por exemplo. Afinal, você não terá mais um empregador para controlar todas essas questões, agora você é quem deve controlar tudo isso.

Quanto à parte burocrática, é muito importante que você formalize a sua atuação, atuação e, para isso, o mais adequado é se cadastrar como MEI - Microempreendedor Individual. A regularização é muito importante para evitar problemas por não declarar seus ganhos. Essa modalidade é a mais indicada por evitar diversos impostos e por ser a forma mais simples de obter um CNPJ.

Ebook conquistando a inadimplência zero

eBook enviado com sucesso!

Acesse seu e-mail para ler o eBook e fazer seus clientes pagarem em dia.

Como cobrar um freelance

Uma das maiores dúvidas para qualquer iniciante como freelancer é sobre como definir o preço. Aqui é preciso cuidado redobrado para não pedir pouco. Não faça ofertas que pareçam boas demais para serem verdade. Escolha um preço que seja competitivo. Converse com outros freelas que já fazem esse serviço, pesquise.

Oferecer um preço baixo demais pode desvalorizar o seu trabalho. Seus clientes podem pensar: “se esse profissional faz por tão pouco, deve ter algo ' errado", enquanto aqueles que toparem o preço ficarão mal acostumados' o preço, vão ficar mal acostumados com esse valor e poderão ir embora quando você resolver valorizar o serviço.

Nessa conta, você deve levar em consideração valores como a sua projeção mensal de remuneração e custos com estrutura: internet, aluguel, material de trabalho e impostos.

Você também pode contar com uma plataforma de cobranças para cobrar seus clientes. A tecnologia pode ajudar você a cobrar de maneira automatizada, evitando muita dor de cabeça com a burocracia de boletos e notas fiscais, transparecendo mais profissionalismo.

Como conseguir clientes para freelancer

Estrutura organizada, preços definidos e burocracia dominada, só vai faltar pensar em uma questão que é uma das mais importantes: os clientes.

E não tem jeito, viu? O negócio é caçar projetos. Quem deseja se tornar freelancer precisa entender que, de quebra, está se tornando um vendedor e um atendente de clientes. Você precisará vender o seu peixe e manter um relacionamento com os clientes conquistados se quiser manter a frequência de trabalhos chegando.

Uma das formas mais comuns para conseguir clientes é investir em networking e buscar recomendações de colegas de profissão e amigos. Espalhe a notícia!

Uma boa ideia também é divulgar os seus serviços no LinkedIn e no Instagram, por exemplo, em redes sociais nas quais você acredita que esteja o seu público-alvo. Criar um perfil e alimentá-lo com conteúdo é uma forma barata e rápida de ser conhecido. Peça para amigos e conhecidos compartilharem.

Você também pode criar uma apresentação com uma proposta comercial para enviar por e-mail ou apresentar em uma videochamada ou mesmo presencialmente. Ter um cartão de visitas ou um site em que explique os serviços que realiza, de maneira organizada, são ótimas formas de demonstrar profissionalismo e conquistar clientes.

Mostre trabalhos que já fez ou que tiveram resultados significativos. Conte os motivos pelos quais as pessoas devem contratar seus serviços!

Sites para trabalhar como freelancer

Outra possibilidade de conseguir trabalhos para fazer como freelancer é acessando plataformas especializadas, como Workana, Freelancer.com e outros portais que conectam profissionais freelas e clientes.

A vantagem desse tipo de serviço é que ele facilita a prospecção, ou seja, o seu encontro com os possíveis clientes, além de garantir o pagamento, porque a empresa contratante precisa depositar previamente o valor do serviço na conta do intermediário, que repassa o dinheiro para você, se tudo estiver como o combinado.

Viu, só? Trabalhar como freelancer não é um bicho de sete cabeças, não. Com foco e organização, você pode conseguir clientes e prosperar nesse novo formato. Vá sem medo!

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário