Conheça os principais tipos de orçamento empresarial

Você sabia que existem vários tipos de orçamento empresarial? Listamos os principais para que você possa escolher o mais adequado para o seu caso, beneficiando seu negócio!

Tipos de orçamento

Quem empreende sabe que manter um negócio ativo e saudável é um grande desafio. Especialmente no cenário atual, em que o mercado se mostra muitas vezes incerto e complexo, contar com uma previsão financeira é indispensável, pois é com ela que você terá suporte para lidar com as situações que possam acontecer, sendo esperadas ou inesperadas.

Pensando nisso e para ajudar você na sua administração financeira, trouxemos os principais tipos de orçamento empresarial usados no mercado, para que você consiga entender possíveis contextos futuros, capazes de embasar decisões mais assertivas.

O que é orçamento empresarial

Um orçamento empresarial é uma importante ferramenta que mostra a situação financeira de uma empresa. Quando usado da forma certa, é um verdadeiro guia para quem precisa gerir um negócio.

É um documento que pode ser elaborado todos os meses ou anualmente, dependendo do tipo, e inclui todas as fontes de renda, gastos fixos e custos variáveis - que são coisas diferentes. Ao olhar para ele, você também consegue prever uma reserva para despesas emergenciais - situação da qual ninguém está livre.

É sobre ter controle financeiro do cenário presente para planejar o futuro com maior segurança.

Ebook conquistando a inadimplência zero

eBook enviado com sucesso!

Acesse seu e-mail para ler o eBook e fazer seus clientes pagarem em dia.

Quais são os principais tipos de orçamento

Para ajudar você a montar o seu orçamento, listamos os sete principais tipos de orçamento empresarial.

Confira a seguir!

1.  Orçamento estático

Como o próprio nome diz, esse tipo de orçamento não muda durante o processo. Isso significa que aquilo que for definido no começo, vai até o final exatamente como aparece no documento, sem mudanças, até que seja definido o próximo orçamento.

Pequenas empresas costumam optar por esse tipo por ele focar em uma única ação ou atividade. Ele ajuda no entendimento rápido de falhas, facilitando ajustes e levando a melhores decisões.

2.  Orçamento flexível

A diferença entre orçamento estático e flexível é que aqui é permitida autonomia para ajustá-lo, conforme as mudanças de contexto.

Um orçamento flexível se baseia em índices unitários. É possível usar, por exemplo, a relação entre o número de produtos disponíveis para venda e a saída de cada um. A partir da análise desses dados é que a gestão do negócio vai moldando esse orçamento, por isso é flexível.

É uma ótima ferramenta para controlar custos operacionais e de fabricação, diferentemente do estático, que é mais adequado para funções administrativas.

3.  Orçamento contínuo

Já se você deseja cobrir um ano de planejamento, mas sem deixar de revisar de forma constante o que foi planejado no plano de negócios, usar o orçamento contínuo é uma boa ideia.

Você pode fazer revisões mensais, trimestrais ou semestrais, por exemplo. Assim, é possível avaliar acertos e erros e, a partir dessa observação, fazer os ajustes necessários.

Empresas que precisam de agilidade para tomar decisões e projetar novos orçamentos, com base nos resultados, se adequam melhor a essa opção.

4.  Orçamento ajustado

Também flexível às mudanças, como é o caso do orçamento anterior, o tipo ajustado leva a empresa a estudar quais práticas geram lucro e quais geram despesas. É por isso que essa análise pode levar a mudanças. Esses estudos costumam ser feitos mensalmente, gerando modificações no orçamento original do projeto.

Ou seja, ele pode ser modificado sempre que necessário.

5.  Orçamento base zero

É o orçamento que literalmente começa do zero, quando novos objetivos são traçados, não levando em consideração o histórico construído até o momento. Obviamente, quando algo inicia do zero, demanda mais tempo.

Esse tipo é ideal para negócios que estão sendo reestruturados, pois se baseia nas possíveis despesas de todos os projetos, práticas e processos futuros. Projetos que não entrem mais nos novos objetivos, são descartados.

6.  Orçamento incremental

Ao contrário do orçamento base zero, aqui a regra é se utilizar do histórico disponível até o momento, conferindo dados antigos. Você vai usar informações de períodos passados para fazer projeções para o futuro.

Também é um orçamento para quem busca agilidade para desenvolvê-lo, pois ele se relaciona com os objetivos da empresa, não sendo necessário detalhar informações de cada setor.

7.  Orçamento do planejamento estratégico

Por fim, o orçamento do planejamento estratégico é aquele que gera toda a estrutura para desenvolver o orçamento anual, com o objetivo de reduzir riscos e levar a empresa a tomar decisões mais eficientes.

Nesse tipo de orçamento é discutido, por exemplo, se existe a possibilidade de abertura de novas filiais, criação de novos produtos ou até mesmo como seria atuar diante de uma crise econômica ou, como ocorreu mais recentemente, frente a uma pandemia.

Como fazer um orçamento empresarial

Depois de escolher o tipo de orçamento mais adequado para o seu negócio, você precisará montá-lo. Independentemente do tipo definido, algumas dicas são essenciais para saber fazer o orçamento empresarial:

  1. Realize um diagnóstico do seu negócio: por exemplo, média de vendas dos anos anteriores, gastos com impostos, sazonalidades das vendas dos produtos e lucro médio alcançado.
  2. Determine os objetivos da empresa: onde você quer chegar no próximo ano?
  3. Selecione a ferramenta ideal: em pequenas empresas, o próprio empreendedor estrutura seu orçamento empresarial, por meio do Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE) e com planilhas de orçamento. Mas você também pode contar com um software de gestão financeira para facilitar a análise de métricas, por exemplo.
  4. Tenha atenção quanto ao que deve aparecer no seu orçamento: itens como despesas, receitas, custos de produção, investimentos, fluxo de caixa projetado, empréstimos e ativo fixo são essenciais.
  5. Crie uma lista com todos os seus custos fixos e variáveis: custos fixos são, por exemplo, aluguel, salários dos funcionários, tributos federais, serviços de contabilidade e custos com telefone e internet; já custos variáveis são consumo de água, gás e energia elétrica, reformas, custos com transporte, contratação de freelancers e aquisição de matéria-prima.
  6. Trace uma projeção para o período determinado: crie um calendário com as etapas que você pretende cumprir ao longo do ano. Fazer isso é muito importante para não ter gastos que ultrapassem os limites determinados.
  7. Monitore os resultados: acompanhe se o orçamento está sendo cumprido. De nada adianta montar um orçamento completíssimo e não seguir o que você mesmo propôs, não é?

Agora que você já conhece os principais tipos de orçamento empresarial e sabe como começar a estruturar o seu, é hora de arregaçar as mangas, caso ainda não tenha começado, para implementar o quanto antes essa ferramenta tão útil para quem almeja ter um negócio de sucesso!

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário