Empreendedorismo feminino: dicas e ideias para começar

O empreendedorismo feminino tem crescido a cada dia, mas quem quer liderar um negócio de sucesso precisa enfrentar desafios no mercado de trabalho. Entenda quais são esses obstáculos e como uma gestora preparada pode lidar com essas situações.

Empreendedorismo feminino

Conforme o público feminino começa a abrir seus próprios negócios, o empreendedorismo feminino ganha destaque País afora, sendo o responsável por diminuir as diferenças que possam existir quando se comparam as oportunidades de crescimento no mercado de trabalho para homens e mulheres.

Além disso, a importância do empreendedorismo feminino está em permitir a diversidade de negócios, pois as mulheres são capazes de identificar perspectivas inovadoras que empreendedores muitas vezes não enxergam, já que elas vivem experiências diferentes e têm visões muito mais precisas sobre aspectos do público feminino, contribuindo para um mercado mais diversificado.

Muitas mulheres também entram no mundo dos negócios para alcançar a independência financeira. Inclusive para algumas delas, não depender financeiramente de seus parceiros é um fator essencial para quebrar ciclos de violência.

Assim, quando você incentiva o empreendedorismo feminino, também ajuda na independência financeira das administradoras. Vamos conhecer mais sobre o tema?

Quando surgiu o empreendedorismo feminino

Os primeiros estudos sobre empreendedorismo feminino no Brasil começaram apenas no final dos anos 1990, segundo um estudo da REGEPE, diferentemente dos estudos estrangeiros, que já abordam o tema desde meados de 1970, com alto crescimento nos anos 1980.

De qualquer forma, esse assunto ganhou notoriedade há pouquíssimo tempo, não é mesmo? Isso apesar de sabermos que as mulheres também sempre estiveram aqui.

É por isso que precisamos seguir alimentando essa ideia, afinal, por não se falar sobre isso por muito tempo e a sociedade até mesmo estigmatizar mulheres empreendedoras, é que muitas delas ainda não se sentem encorajadas a empreender até hoje.

O quadro melhorou, mas temos um longo caminho a ser percorrido.

Entre as ações que podemos encontrar para motivar mulheres a se sentirem seguras para empreender, está o Dia do Empreendedorismo Feminino, que é celebrado em 19 de novembro, todos os anos desde 2014.

A data foi promovida pela WED, uma organização sem fins lucrativos, e a criação desse dia simbólico aconteceu quando representantes de 144 países estavam reunidos em um evento em Nova Iorque, no que a empresária norte-americana Wendy Diamond sugeriu a data para celebrar e dar suporte ao grupo.

4 desafios do empreendedorismo feminino

Quando falamos de suporte, estamos falando dos diversos desafios que as mulheres enfrentam ao decidir serem donas do próprio negócio. E não são poucos. Confira alguns dos obstáculos enfrentados pelas empreendedoras.

1.  Fazer networking

Segundo a pesquisa do GEM - Global Entrepreneurship Monitor -, a mulher brasileira é uma das que menos faz networking. Infelizmente, a dificuldade em construir relações pode ser uma grande barreira para levar empreendimentos adiante.

Essa é uma questão cultural que só pode ser mudada se a sociedade criar um ambiente em que a mulher possa sentir segurança para empreender, sem ser discriminada ou desacreditada.

Aquelas situações constrangedoras que antes aconteciam no dia a dia da empresa ou em entrevistas de emprego passam a ser vistas em reuniões com clientes e em feiras, pitchs de investimentos e em espaços que fazem parte do ecossistema empreendedor, que ainda é um meio predominantemente masculino.

2.  Ser mãe ou mãe solteira

De acordo com o estudo Empreendedoras e seus negócios, de 2019, 55% das entrevistadas têm filhos e, desse total, 75% decidiram investir no próprio negócio depois de se tornarem mães, justamente por desejarem passar mais tempo com os filhos.

A grande barreira aqui é a falta de participação de parceiros na criação dos filhos. Isso gera uma sobrecarga de afazeres na mulher que, culturalmente, também é vista como a pessoa do casal responsável por cuidar dos filhos.

No ecossistema de inovação, segundo o estudo Female Founder Report, 51,6% das entrevistadas são mães e mais de 30% dessas mães apontaram parcial ou total a não participação dos parceiros na criação dos filhos.

Quando mãe solteira, é preciso encontrar equilíbrio entre família e trabalho, afastando as más influências e mantendo a força de vontade para continuar empreendendo.

3.  Parceiro com mentalidade retrógrada

Também precisamos considerar que, há pouco mais de 50 anos, mulheres casadas precisavam ter uma autorização do marido para poder trabalhar. Felizmente, essa não é mais uma realidade, mas ainda estamos longe do que seria ideal.

Mesmo com nível de escolaridade maior, o público feminino ainda ganha salários inferiores aos homens que desempenham as mesmas funções.

No caso da mulher empreendedora, ter um parceiro com mentalidade retrógrada pode tornar a jornada do negócio bem mais complicada. Afinal, esse pode ser um obstáculo que a impede de estudar ou se profissionalizar, por conta de o companheiro entender, muitas vezes, que o ambiente corporativo não é um lugar que deva ser ocupado por mulheres.

4.  Não encontrar apoio

A pior coisa que pode acontecer a uma mulher que deseja empreender é não encontrar apoio de familiares e amigos para começar o negócio ou não conseguir suporte até mesmo de instituições financeiras, já que, de modo geral, o público feminino possui um poder de capital mais baixo que homens.

A falta de apoio é um dos fatores que mais fazem as mulheres desistirem de entrar no mundo dos negócios.

7 dicas para apoiar o empreendedorismo feminino

Diante desses desafios, como podemos apoiar mulheres empreendedoras?

Sabendo que estas são mulheres que entendem quais são suas habilidades e usam-nas para resolver problemas e criar negócios, bem como tomam a iniciativa para achar soluções para problemas e possuem competências técnicas para executar serviços ou produtos que geram renda, temos algumas dicas tanto para as empresárias quanto para o público.

Confira!

1.  Compre de mulheres empreendedoras

Sabe aquela pequena empreendedora do seu bairro que decidiu oferecer um produto ou serviço? Por que não dar uma chance para experimentar o trabalho dela?

Troque grandes lojas pelos negócios locais, especialmente se a dona do local for uma mulher no início da jornada como gestora. Apoie!

2.  Indique negócios para familiares e amigos

Se não puder comprar, você também pode ajudar divulgando nas suas redes sociais ou indicando o negócio de gestoras a amigos e familiares.

Inclusive, se ela faz postagens nas redes sociais dela ou criou redes próprias para o empreendimento, curta, comente e compartilhe. Além de incentivá-la, você estará ajudando a aumentar o alcance dessas publicações para que mais pessoas também possam ter interesse na solução que ela oferece.

3.  Incentive boas ideias e o esforço delas

Você também pode falar sobre empreendedorismo com a dona do negócio, contando o que achou do trabalho que ela faz, tanto elogiando o que deu certo quanto fazendo um feedback sobre o que poderia estar melhor — com toda a educação, é claro.

Para quem está começando, existem muitas dificuldades que ainda precisam ser superadas e aprendidas, portanto todo reconhecimento e ânimo é bem-vindo para que a mulher não desista de empreender.

4.  Coloque-se à disposição quando elas precisarem

Inclusive, se você sente que pode ajudar a empreendedora de alguma forma, faça isso! O bom empreendedorismo, e aí estamos falando de qualquer tipo de empreendedorismo, encabeçado por qualquer pessoa, envolve uma rede de apoio. Não se enxerga rivalidade, mas colaboração.

Entre mulheres e para mulheres, essa ideia precisa ser ainda mais forte. Se você pode oferecer algum conteúdo educativo nesse sentido ou alguma mentoria, pode alimentar essa rede colaborativa.

Felizmente, já existem instituições que realizam esse trabalho, algumas também focadas em mulheres empreendedoras e mães, já que esse é um desafio a mais para elas, como vimos anteriormente.

5.  Divida as tarefas domésticas e cuidados com a família

Falando nisso, se você é parceiro ou parceira da empreendedora e vocês dividem a mesma casa e possuem uma família para cuidar, é primordial dividir as tarefas.

Na nossa cultura, infelizmente, ainda existe a ideia de que quem deve fazer essas tarefas é apenas a mulher, o que leva os homens a não se preocuparem com essa parte, deixando as companheiras sobrecarregadas.

Imagine passar o dia inteiro batalhando pelo empreendimento, estruturando um plano de negócios, correndo atrás de parcerias e fornecedores, insumos e tudo o que envolve empreender e, ao chegar no lar ou no final do dia, ainda ter que limpar toda a casa e cuidar de várias necessidades da família, enquanto o parceiro apenas descansa? Cansativo, não é mesmo?

6.  Apoie seus estudos e sua busca por novos conhecimentos

Uma boa parceria deseja que a mulher conquiste o que almeja e apoia que ela vá atrás disso, estude e aprenda cada vez mais. Por isso, seja uma rede de apoio que deseja ver o sucesso de uma colega.

Um estudo da Rede Mulher Empreendedora mostrou que 67% das gestoras desejam buscar mentorias nos próximos 12 meses, enquanto 45% já realizaram algum treinamento ou têm alguma formação na área de administração. E esse, com certeza, é um ótimo caminho para ser uma empresária de sucesso!

7.  Respeite o tempo e os processos dela

Cada negócio passa por um processo diferente de desenvolvimento. Também não seja aquela pessoa que apoia, mas fica cobrando resultados imediatos das ações desenvolvidas. Inclusive, podem e provavelmente vão acontecer erros durante esse processo — e tudo bem!

A jornada empreendedora, para qualquer pessoa, envolve ganhos e perdas. Portanto, dê tempo ao tempo e não faça cobranças desnecessárias ou desmereça a gestora quando os erros acontecerem.

Ideias de empreendedorismo feminino

Se você é mulher e deseja empreender, separamos algumas dicas para começar hoje mesmo. Lembre-se: o “não”, você já tem. Vá em busca do sim!

1.  Conheça suas habilidades

O primeiro passo e mais importante é você conhecer a si mesma. Descubra qual área motiva você a querer fazer bons trabalhos, para a qual você tem maior aptidão. Cada pessoa tem habilidades únicas e você certamente tem as suas.

Se você ama cozinhar, por exemplo, o mercado gastronômico está cheio de possibilidades. Já se adora organizar, por que não oferecer um serviço para ajudar outras pessoas a colocar as coisas em ordem?

2.  Compartilhe seus conhecimentos

Se você domina muito bem determinado assunto, pode dar aulas, sejam presenciais ou online. Com os cursos online mais em alta do que nunca, divulgar seus conhecimentos se tornou ainda mais fácil. Você pode, inclusive, ajudar a formar outras mulheres!

Basta organizar seus conhecimentos e definir a melhor metodologia para as suas aulas, pois sempre existem pessoas que desejam aprender, desde conhecimentos complexos aos mais simples.

3.  Invista na área da beleza e bem-estar

Um dos mercados mais promissores é o setor da beleza, especialmente porque essa área tem entendido que a beleza vai além da questão estética, mas está ligada ao bem-estar, autoestima e empoderamento.

E ninguém melhor do que as próprias mulheres para entenderem essa demanda, não é mesmo?

Conforme pesquisa da Abihpec, o Brasil é o quarto maior mercado consumidor do mundo no setor. Só em 2020, foi movimentado em torno de US$ 29,6 bilhões, com crescimento de 7% em relação ao ano anterior.

É possível encontrar oportunidades ligadas à indústria, consultoria de venda direta, franquia e salão de beleza.

4.  Seja freelancer

A freelancer, ou famosa freela, é aquela profissional independente que trabalha sem carteira assinada, normalmente abrindo um MEI e se tornando uma microempreendedora individual, pois esse formato permite criar um CNPJ e emitir notas fiscais. Dessa maneira, a profissional pode trabalhar com vários clientes e oferecer diversos serviços.

Dois setores que costumam buscar por profissionais freelancers são tecnologia e comunicação. Desenvolvedoras web, designers, jornalistas, redatoras, produtoras de conteúdo, revisoras e profissões correlatas podem empreender com sucesso, atuando em colaboração com outros profissionais e para empresas.

5.  Idealize uma startup

Se você é uma mulher cheia de ideias e acredita que é capaz de criar um produto ou serviço que pode ajudar a tornar a vida de alguém mais fácil e prática, transformar sua ideia em uma startup pode ser uma ótima forma de empreender.

É um processo um pouco mais complicado, que exige estudos, testes e incentivos, mas é plenamente possível.

Você também pode buscar programas que oferecem mentoria para startups, para entender como atuar em todos os momentos do processo, desde a curiosidade em si para chegar a uma ideia até colocar a operação em ação e impulsionar o crescimento da startup.

Agora que você já conhece a importância, alguns desafios e dicas para colocar o empreendedorismo feminino em prática, saiba que você, mulher, também pode contar com a gente: na hora de cobrar e receber dos seus clientes de maneira automatizada, profissional e sem burocracia, experimente a Cobre Fácil e facilite o dia a dia do seu negócio!

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário