10 ideias de negócios que faltam no Brasil

Estudar negócios que faltam no Brasil ou já deram muito certo lá fora pode ser uma ótima estratégia para quem quer criar o próprio negócio, mas não sabe por onde começar.

Negócios que faltam no brasil

Quando decidimos empreender, é comum tentarmos seguir o que todo mundo está fazendo, seja porque está dando certo naquele momento ou porque já deu certo em outro tempo. No segundo caso, aí vem a ideia de resgatar o sucesso.

Mas uma boa forma de começar um negócio também pode ser fazer justamente o que ninguém está fazendo, porque a novidade pode ser a chave para o negócio ter bons resultados.

A verdade é que não existe fórmula mágica para dizer o que vai ou não dar certo, porque o sucesso de um negócio depende de uma série de fatores. O que sempre recomendamos, é estudar muito o mercado onde se deseja atuar, entender as mudanças da sociedade e o comportamento do consumidor. Assim, você poderá ter o insight que precisa para investir na ideia e na hora certas.

Para ajudar você nessa tarefa, trouxemos algumas ideias de negócios que faltam no Brasil. Com essa inspiração, quem sabe você consiga dar o próximo passo rumo ao seu próprio empreendimento.

1.  Buy one, give one

Entre os serviços que não existem no Brasil, a lógica do "Compre um, dê um" pode dar certo por aqui também, como já tem sido lá fora: a ideia é que a cada produto vendido, outro seja doado para alguém que precisa. Legal, não é? Talvez até exista alguma coisa assim em pequena escala, mas não temos negócios realmente focados nesse tipo de ação.

O empreendedorismo social é uma das grandes tendências apontadas pelo comportamento do consumidor para os próximos anos, já que não podemos mais ignorar as desigualdades presentes em todo o planeta. Assim, iniciativas que não olhem apenas para o lucro, mas que tenham como propósito olhar para as pessoas, também têm espaço.

Isso porque o público desse tipo de negócio é exigente e se mantém fiel a marcas que vão além do discurso, transformando sua fala em ações concretas, fazendo a diferença onde atuam.

E-book conquistando a inadimplência zero

E-book enviado com sucesso!

Acesse seu e-mail para ler o e-book e fazer seus clientes pagarem em dia.

2.  Prêt à pousser

Prêt à pousser é o nome de uma startup francesa. O conceito é ter um jardim indoor, dentro da sua própria casa. Você mesmo pode fazer o cultivo de legumes, vegetais e ervas.

Para isso, a marca desenvolveu uma tecnologia, inclusive patenteada, que oferece cápsulas que vêm com as sementes e o adubo necessários. Com elas, também vem um aparelho que conta com um led que emite a mesma luz da frequência solar, não necessitando colocar essas plantas no sol, e um flutuador de água, que garante a quantidade de água exata para que as sementes germinem.

Eles garantem que em um mês você já terá a planta desejada, ou seja, o formato também acelera o processo de crescimento. Caso contrário, os consumidores podem ter o dinheiro de volta.

Então, se você tem alguma ideia nesse sentido e pode contar com uma equipe de desenvolvimento, criar a sua própria tecnologia também pode ser uma forma de começar um negócio. Nesse caso, a ideia surgiu a partir de milhares de famílias que vivem em apartamentos pequenos e com pouco sol, sem o espaço adequado para cultivar um jardim.

3.  Dropshipping

Dropshipping é um termo que tem origem em duas palavras em inglês: drop, que significa largar, soltar, e shipping, que é remessa. E é justamente isso: com dropshipping, você "larga" o produto, ou seja, divulga ele em uma loja virtual criada por você e, quando alguém compra esse produto, você envia a ordem dessa operação para o fornecedor parceiro, que faz o envio.

Assim, você não precisa nem sequer ter acesso ao produto, evitando ter que manipulá-lo, gerando gastos com loja física e estoques. O lucro vem da diferença entre o preço de venda do produto na sua loja virtual e o preço que o seu parceiro dropship cobra.

Você terá um controle parcial sobre as vendas, já que vai ser o responsável pela venda, enquanto o responsável pela logística é o fornecedor.

4.  Aluguel de roupas sob demanda

A empresa Rent the Runway, dos Estados Unidos, foi a pioneira nesse tipo de negócio. Inicialmente pensado para roupas, a ideia pode ser aplicada a qualquer tipo de nicho e é um dos negócios pouco explorados no Brasil.

A ideia da empresa, fundada ainda lá em 2009, gira em torno de permitir que seus usuários aluguem roupas e comprem acessórios de segunda mão, como bolsas e joias, de mais de 18 mil estilos de pelo menos 750 marcas de estilistas.

Essa ideia, além de ser mais em conta para quem não pode gastar com roupas e acessórios desse nível, também vem ao encontro do empreendedorismo social, já que estamos falando de milhares de itens que não vão mais para o lixo, mas para a reutilização por outras pessoas.

Iniciativas como essa podem ser válidas para os mais variados tipos de produtos que têm alto e rápido descarte. Infelizmente, descartamos muitos materiais que ainda poderiam ser usados de outras formas, até mesmo no seu estado atual. Quantos você consegue pensar agora mesmo?

5.  Traveleyes

Traveleyes é uma agência inglesa especializada em oferecer experiências únicas para seus viajantes que são cegos. A ideia, do seu fundador com essa deficiência, é promover experiências multissensoriais durante as viagens, com outras perspectivas que vão além do sentido da visão.

Para isso, é pensado desde o tipo de hotel onde os viajantes serão acomodados, até os materiais usados durante os passeios, proporcionando uma experiência própria para que as pessoas cegas consigam conhecer a cultura local e confraternizar com seus colegas de viagem.

Por atender uma dor muito latente de um nicho específico, essa pode ser uma ideia de sucesso, já que quem possui a deficiência talvez nunca tenha encontrado nada assim antes. Falando nisso, quantas deficiências não são levadas em consideração durante a criação dos negócios?

Você sabia que, segundo o último Censo, quase 46 milhões de brasileiros, cerca de 24% da população, declararam ter algum grau de dificuldade em pelo menos uma das habilidades investigadas (enxergar, caminhar, ouvir ou subir degraus), ou possuir deficiência mental/intelectual?

6.  Chef de cozinha particular

O setor da alimentação não poderia ficar de fora da nossa lista, já que é um dos que mais cresce mesmo em momentos de crise. Ao mesmo tempo que muita gente investe nesse setor, por estar sempre expandindo, pode acontecer dele ficar saturado se os empreendedores decidirem usar estratégias de negócios muito parecidas.

O chefe de cozinha particular é um exemplo de ideia inovadora e muito promissora dentro desse setor. Pouco explorada aqui no Brasil, o formato faz bastante sucesso no exterior.

Consiste basicamente em chamar, para reuniões entre amigos ou para festas, um chefe de cozinha que poderá oferecer exclusividade, com experiências gastronômicas que não são encontradas em nenhum outro lugar.

Oferecer exclusividade também é um bom caminho para empreender, pois sempre existem pessoas interessadas em ter uma experiência única. Pesquisando o mercado corretamente e encontrando previsão de demanda para o seu serviço exclusivo, essa pode ser uma ótima ideia!

7.  Lojas que não distinguem gênero

Apesar de incomum aqui no Brasil, esse é um dos negócios que fazem sucesso no exterior. As discussões sobre gênero estão ganhando cada vez mais espaço em nossa sociedade, principalmente entre as gerações mais jovens, que estão engajadas em desconstruir velhos padrões e respeitar a diversidade.

A própria indústria da moda tem levantado questionamentos acerca de gênero, o que contribui para abrir espaço para lojas que não fazem essa distinção, modelo de negócio que investe no conceito de peças não binárias. Ou seja, são roupas que podem ser usadas por qualquer pessoa, sem seções femininas e masculinas.

8.  Consultoria para evitar acidentes domésticos com bebês

Questões muito simples e corriqueiras, como acidentes com bebês, podem ser o caminho para gerar novos negócios, capazes de evitar velhos problemas. Se direcionado para o público certo, esse é um serviço que pode dar certo por aqui, como tem dado muito certo lá fora.

Especialmente pais de primeira viagem, podem não ter noção de que determinados itens ou móveis podem ser arriscados para seu bebê. Por isso, o consultor é um especialista capaz de analisar toda a casa da família e pontuar quais mudanças precisam ser feitas para evitar acidentes.

Afinal, a criança correrá esses riscos por alguns anos, o que torna o serviço muito válido. E os pais querem sempre garantir a segurança dos seus filhos, não é mesmo?

Esse tipo de ideia vale para praticamente qualquer coisa da vida que a gente precise aprender fazendo. Quem já tem experiência no assunto sempre pode criar uma consultoria para ajudar outras pessoas a passarem por esse aprendizado de maneira mais leve.

9.  Loja 100% automatizada

Sim, estamos falando da Amazon. Não tem caixa, não tem fila, você não paga em dinheiro, só pelo celular. É um outro nível de atendimento, mas que possivelmente fará todo sentido nos próximos anos, quando o modelo já tiver sido mais testado e puder ser aplicado por outras marcas.

Obviamente esse não é um tipo de negócio viável para ser implementado agora por você, pois a Amazon investe nisso desde 2016 e tem buscado aprimorar os recursos dessas lojas para que efetivamente sejam aplicáveis por mais negócios, mas isso dá um panorama sobre o futuro.

Ter atenção aos tipos de negócios que aos poucos estão mudando nossa forma de consumir produtos e serviços, mesmo que implementados por grandes players, também deve fazer parte dos estudos de qualquer pessoa empreendedora. “Isso já é realidade lá fora”. E um dia pode ser aqui.

10.  Lemonade

Entre as ideias de negócios que deram certo no exterior, está o formato de atuação da Lemonade, empresa que começou a oferecer seguros sem burocracia e deu o pontapé inicial para revolucionar o mercado como o conhecemos.

Essa ideia de desburocratizar serve para os mais variados setores, especialmente aqueles que são próximos de leis e complicações com papelada. O que a empresa fez foi simplesmente substituir os corretores de seguros e a burocracia por bots e aprendizado de máquina, buscando tornar a contratação de um seguro instantânea. Ou seja, passaram a contar com inteligência artificial (IA).

Parece algo distante falar nesse assunto, não é mesmo? Mas tire da mente aqueles filmes futurísticos com carros voadores e robôs com inteligência altamente desenvolvida da sua cabeça e coloque os pés no chão: hoje, a IA já vem sendo utilizada em vários campos da ciência.

Na indústria, na saúde, na agropecuária e mesmo em pesquisas, processando uma quantidade gigante de dados para entender padrões e combinar essas informações para encontrar informações úteis, capazes de gerar projetos de inovação.

O que não falta são mesmo desafios para serem superados, não é mesmo? O mundo precisa de pessoas criativas como você para mudar velhos padrões, alcançando maior igualdade, qualidade de vida e até mesmo felicidade. Se lá fora já está dando certo, podem ser mesmo negócios que faltam no Brasil. Continue pesquisando!

O que você achou do post?

3 Respostas

Deixe seu comentário